noenembr

Dia 82 – Revolução Francesa

Olá…

Nessa aula, aprenderemos sobre a revolução francesa e como ela é importante no contexto histórico. Para o dia 82 de estudos, temos esse tema, pois o mesmo é frequente no ENEM e em vestibulares. Nessa aula a professora Nanda de forma concisa, mostra os fatos históricos e o que ocorreu para que essa revolução tomasse proporções que mudariam o curso da história. Por isso siga os passos que sempre recomendamos e vamos aos estudos.

Passo 1 – Baixar os exercícios e tentar resolvê-los.
Para baixar os exercícios clique aqui...

Passo 2 – Baixar o Material de Aula
Clique aqui para baixar o material de aula 

Passo 3 – Ver as aulas sobre o assunto.

Passo 4 – Resolver novamente os exercícios

Passo 5 – Participar do grupo no facebook. Surgiu alguma dúvida? nos procura lá.

Aqui o link para o grupo no facebook. 

É isso ai, Até o dia 81.

Resolução Questão 134 – Linguagens

Para ver uma tabela com todas as questões comentadas do segundo dia do enem 2016 acesse o link.: https://goo.gl/zw4n5E

Questão 134, ENEM 2016 – Resolução e Gabarito: Português

TEXTO I

Nesta época do ano, em que comprar compulsivamente é a principal preocupação de boa parte da população, é imprescindível refletirmos sobre a importância da mídia na propagação de determinados comportamentos que induzem ao consumismo exacerbado. No clássico livro O capital, Karl Marx aponta que no capitalismo os bens materiais, ao serem fetichizados, passam a assumir qualidades que vão além da mera materialidade. As coisas são personificadas e as pessoas são coisificadas. Em outros termos, um automóvel de luxo, uma mansão em um bairro nobre ou a ostentação de objetos de determinadas marcas famosas são alguns dos fatores que conferem maior valorização e visibilidade social a um indivíduo.
LADEIRA, F. F. Reflexões sobre o consumismo. Disponível em: http://observatoriodaimprensa.com.br. Acesso em: 18 jan. 2015.

TEXTO II

Todos os dias, em algum nível, o consumo atinge nossa vida, modifica nossas relações, gera e rege sentimentos, engendra fantasias, aciona comportamentos, faz sofrer, faz gozar. Às vezes constrangendo-nos em nossas ações no mundo, humilhando e aprisionando, às vezes ampliando nossa imaginação e nossa capacidade de desejar, consumimos e somos consumidos. Numa época toda codificada como a nossa, o código da alma (o código do ser) virou código do consumidor! Fascínio pelo consumo, fascínio do consumo. Felicidade, luxo, bem- estar, boa forma, lazer, elevação espiritual, saúde, turismo, sexo, família e corpo são hoje reféns da engrenagem do consumo.
BARCELLOS, G. A alma do consumo. Disponível em: www.diplomatique.org.br. Acesso em: 18 jan. 2015.

Esses textos propõem uma reflexão crítica sobre o consumismo. Ambos partem do ponto de vista de que esse hábito
a) desperta o desejo de ascensão social.

b) provoca mudanças nos valores sociais.

c) advém de necessidades suscitadas pela publicidade.

d) deriva da inerente busca por felicidade pelo ser humano.

e) resulta de um apelo do mercado em determinadas datas.

ENEM – Fugindo à luta de classes a nossa organização sindical tem sido um instrumento de harmonia e de cooperação entre o capital e o trabalho

No Enem 2016 – Resolução de exercícios #18 – Era Vargas – Dicas para o enem 2016

Para mais vídeos e materiais acesse: https://noenem.com.br

Fugindo à luta de classes, a nossa organização sindical tem sido um instrumento de harmonia e de cooperação entre o capital e o trabalho. Não se limitou a um sindicalismo puramente “operário”, que conduziria certamente a luta contra o “patrão”, como aconteceu com outros povos.

FALCÃO, W. Cartas sindicais. In: Boletim do Ministério do Trabalho, Indústria e Comércio. Rio de Janeiro, 10 (85), set. 1941 (adaptado).

Nesse documento oficial, à época do Estado Novo (1937-1945), é apresentada uma concepção de organização sindical que.
A – elimina os conflitos no ambiente das fábricas.
B – limita os direitos associativos do segmento patronal.
C – orienta a busca do consenso entre trabalhadores e patrões.
D – proíbe o registro de estrangeiros nas entidades profissionais do país.
E – desobriga o Estado quanto aos direitos e deveres da classe trabalhadora.

Resolução de História #12

No Enem 2016 – Resolução de exercícios #12 – Era Vargas – Dicas para o enem 2016.

De março de 1931 a fevereiro de 1940, foram decretadas mais de 150 leis novas de proteção social e de regulamentação do trabalho em todos os seus setores. Todas elas têm sido simplesmente uma dádiva do governo. Desde aí, o trabalhador brasileiro encontra nos quadros gerais do regime o seu verdadeiro lugar.
DANTAS, M. A força nacionalizadora do Estado Novo. Rio
de Janeiro: DIP, 1942. Apud BERCITO, S. R. Nos Tempos
de Getúlio: da revolução de 30 ao fim do Estado Novo. São
Paulo: Atual, 1990.

A adoção de novas políticas públicas e as mudanças jurídico-institucionais ocorridas no Brasil, com a ascensão de Getúlio Vargas ao pode+r, evidenciam o papel histórico de certas lideranças e a importância das lutas sociais na conquista da cidadania. Desse processo resultou a:

A – criação do Ministério do Trabalho, Indústria e Comércio, que garantiu ao operariado autonomia para o exercício de atividades sindicais.
B – legislação previdenciária, que proibiu migrantes de ocuparem cargos de direção nos sindicatos.
C – criação da Justiça do Trabalho, para coibir ideologias consideradas perturbadoras da “harmonia social”.
D – legislação trabalhista que atendeu reivindicações dos operários, garantido-lhes vários direitos e formas de proteção.
E – decretação da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), que impediu o controle estatal sobre as atividades políticas da classe operária.